Você está aqui: Página Inicial > Contents > Notícias > Luiz Couto na Câmara dos Deputados: Agassiz Almeida é uma lenda viva da nossa história

Notícias

Luiz Couto na Câmara dos Deputados: Agassiz Almeida é uma lenda viva da nossa história

Discurso pronunciado pelo deputado Luiz Couto acerca da inauguração do “Memorial Agassiz Almeida pela UFPB” Sr. Presidente, Sras, e Srs, Deputados. Muitos fazem história, outros nos fazem ter memórias, mas existem aqueles que ficam marcados na história e na memória, e em vida viram lendas.
por publicado: 21/02/2017 09h11 última modificação: 21/02/2017 09h24

Luiz Couto na Câmara dos Deputados: Agassiz Almeida é uma lenda viva da nossa história

Discurso pronunciado pelo deputado Luiz Couto acerca da inauguração do “Memorial Agassiz Almeida pela UFPB”
 

                          agassizSr. Presidente, Sras, e Srs, Deputados. Muitos fazem história, outros nos fazem ter memórias, mas existem aqueles que ficam marcados na história e na memória, e em vida viram lendas.
                    Assim é a vida de Agassiz Almeida, um homem simples, mas com um coração valente. Filho de Antônio Pereira de Almeida e Josita de Amorim Almeida.

                    Em 1946, ingressou no Colégio Pio XI, em Campina Grande, Paraíba, onde concluiu o ginásio. Parte da sua infância e da adolescência ele viveu nos cariris de Barra de Santana, Boa Vista e Cabaceiras, onde conheceu as comunidades dos quilombolas e a discriminação que elas sofriam, fato este que começou a marcar a sua visão de mundo.
                  No dia 29 de novembro de 2016, Agassiz Almeida foi eternizado nos corações dos paraibanos. A Universidade Federal da Paraíba inaugurou o Memorial Agassiz Almeida, que foi instalado no prédio da antiga Faculdade de Direito da Paraíba, a qual abriga o acervo literário, documental e político do ex-aluno e professor daquela instituição.
Agassiz Almeida foi eternizado pela UFPB, pelos paraibanos e pelo Brasil. É um escritor que passou todas as adversidades da ditadura militar, desafiou o coronelismo no cariri paraibano, não com armas, mais com a humildade, a inteligência e a fé.
             Por tudo isso, quero deixar minha homenagem a este grande paraibano. O mais belo dom de Deus dado a Agassiz foi o de fazer hoje pensar os que podem pensar. Eu tenho prazer em afirmar que sou um discípulo deste grande homem. A luta que este formador de opiniões pratica em prol dos direitos humanos me fascina e me faz acreditar que no Brasil existem outros Agassizes que marcam e mudam o hoje para um novo amanhã.
                   Sr. Presidente, esta é minha homenagem ao amigo e companheiro Agassiz Almeida. 
Quero também agradecer à UFPB por essa brilhante iniciativa. Tenho certeza de que esse acervo e memorial ajudarão muitas gerações a entender o que aconteceu no passado e a lidar com os conceitos do futuro. 
                Envio daqui o meu abraço, aplaudindo de pé essa lenda viva paraibana.
Era o que tinha a dizer.

 

                     O que representa o “Memorial Agassiz Almeida”

    

                        Sou egresso das gerações de 60 e 70 do século passado, que carregavam  sonhos e indignações. O que elas aspiravam e por quais causas lutavam?. Queriam transformar a sociedade humana de tão abissais desigualdades sociais em que menos de 2% de privilegiados detem mais de 70% da renda mundial, enquanto quase dois bilhões de pessoas se debatem nas fronteiras da miséria e da ignorância.

                           Na década de 70 do século passado, deixei o meu Recife e fui fazer doutorado em Economia na Universidade de Paris, onde de lá, pude melhor conhecer o esforço dos povos por sua libertação das garras do colonialismo e das botas do capitalismo selvagem.

                            De lá, conheci a fibra dos resistentes contra a ditadura militar no Brasil, entre eles, lá estavam, Leonel Brizola, Luis Carlos Prestes, Miguel Arraes, Gregório Bezerra, Agassiz Almeida, Francisco Julião, Darcy Ribeiro e Paulo Cavancanti.

                           Ingressei nas lutas em defesa dos povos subjugados por ditaduras tirânicas, como as da América Latina, inclusive a do Brasil.

                           Um brado ecoou das consciências livres: Libertas quae sera tamen.

                           Contra aqueles que esfarraparam as liberdades democráticas, levantei a minha voz, fazendo coro ao imenso grito dos indignados da minha geração hoje corporificados historicamente no “Memorial Agassiz Almeida”, no predio histórico da Faculdade de Direito, UFPB, em João Pessoa.

 João Luiz Fonseca

Professor da UFPB e doutor em economia pela Universidade de Paris

Divulgação dos amigos de Luiz Couto e Agassiz Almeida